Saúde e Bem-Estar

Reposição hormonal: quando devo fazer?

Médico tira dúvidas sobre o procedimento em mulheres

Reposição hormonal: quando devo fazer?

Várias mudanças ocorrem no corpo feminino com o passar do tempo. Assim, elas começam a perceber que alguns sintomas interferem na vida cotidiana. Então, pode ser hora de optar pela reposição hormonal. “A presença de certos desconfortos faz com que elas optem por esse tratamento. Mas é interessante saber como ele funciona. Há  uma diversidade de terapias hormonais, pois isso é o princípio para tomar a iniciativa de consultar um médico especialista no assunto e ter uma excelente qualidade de vida”, explica o endocrinologista André Moreira.

Reposição hormonal para mulheres

A partir dos 45 anos, o corpo da mulher começa o ciclo de transição hormonal, conhecido como climatério, e se estende até a menopausa, que vai até, aproximadamente, os 65 anos. “É nesse momento que há presença dos transtornos que causam muitos desconfortos à maioria das mulheres, uma vez que, após o climatério vem a menopausa, que é a perda espontânea dos hormônios, essas substâncias são características femininas e proporcionam equilíbrio no ciclo menstrual e em várias funções do corpo”, completa.

Os hormônios sintetizados em laboratórios têm a mesma composição química que o produzido naturalmente, por isso, a reposição hormonal age da mesma forma ao ser administrada no corpo. “Apresentam o mesmo efeito curativo e preventivo, minimizando os sintomas da menopausa e prevenindo o corpo de possíveis males, que podem ocorrer por motivo da ausência hormonal”, esclarece André.

Na prática

A indicação da reposição é para mulheres que sofrem com as consequências, de moderadas a intensas, da ausência dessas substâncias. “A indicação é de acordo com a necessidade de cada mulher. O médico faz a prescrição do estrogênio e da progesterona ou outros hormônios, caso haja realmente insuficiência. Há opções injetáveis, géis, adesivos colocados na pele e comprimidos”, revela.

A ausência dos hormônios estrogênio e progesterona é o que mais interfere quando a menopausa chega. Com a reposição hormonal, há várias vantagens. “diminui o fogacho, que são as ondas de calor que perturbam durante o dia, alivia os picos de suores noturnos, auxilia  na qualidade do sono, resolvendo a insônia, evita a perda óssea que leva à osteoporose, diminui a irritabilidade, previne a depressão e retarda o envelhecimento”, cita o médico.

Portanto, a reposição hormonal se faz necessária, mas cada caso é preciso ser avaliado para saber qual hormônio precisa ser reposto e a quantidade. “Procure um profissional qualificado e de sua segurança, ele te ajudará a escolher o melhor método e você terá sua qualidade de vida renovada”, finaliza.

Foto da Capa: Pexels

Fonte: André Moreira, formado em medicina desde 2008 pela UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – UFMG, pós graduado em endocrinologia e tratamento da obesidade. @drandre.moreira.

Leia também: Criador de conteúdo: como ter sucesso nas mídias

Juliana Umbe̊lino

Escritora e social media, atua com revisão e produção de conteúdo para web. Editora de SEO para WordPress há mais de 9 anos. CEO na @vemprapalante. É autora publicada pela editora Qualis. Ministra palestras sobre web, mídias sociais e influenciadores. Além disso é apaixonada por livros, filmes, séries, quadrinhos, teatro e música (principalmente folk e rock'n'roll). É uma nerd raiz, por assim dizer.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo