EventosMecânica Quântica

Perdão pode ser o antídoto para a intolerância

Pesquisas apontam que perdoar proporciona inúmeros benefícios à saúde.

Perdão pode ser o antídoto para a intolerância nos tempos atuais.

Pesquisas apontam que perdoar proporciona inúmeros benefícios à saúde.

São Paulo, 29 de janeiro de 2020 – O mundo vive tempos de forte intolerância, sentimento que tem encontrado terreno fértil nas redes sociais e onde junto com discursos de ódio conquista cada vez mais adeptos.

A sociedade está cada dia mais intransigente com as causas diferentes do comum. Sendo assim, já é tempo de repensar os posicionamentos agressivos e apostar na serenidade, empatia, afeto, e no perdão como antídotos para essa hostilidade.

É hora de aprender a perdoar. Por isso, um número cada vez maior de pesquisas indica que o perdão proporciona uma série de benefícios à saúde. Em primeiro lugar, qualquer pessoa pode se tornar mais tolerante quando desenvolve hábitos como a empatia, passando a focar no lado bom das coisas.

De acordo com Flora Victoria, mestre em Psicologia Positiva aplicada pela Universidade da Pensilvânia, quando não perdoamos os outros, nos colocamos em uma escravidão mental, física e emocional. “E quando permitimos que isso ocorra, a pessoa que nos feriu pode nos colocar em uma gaiola, sendo que somos os únicos que podemos nos libertar dela”, reforça Flora.

Para a especialista, a habilidade de perdoar prevê uma saúde positiva tanto mental quanto física. O ato do perdão protege contra os efeitos negativos do estresse e faz bem tanto à saúde de quem é perdoado como, principalmente, de quem perdoa.

O Ph.D Frederick Luskin, a princípio, um dos maiores estudiosos sobre o perdão e diretor do Forgiveness Projects, da Universidade de Stanford, concluiu uma extensa pesquisa sobre o treinamento e a medição da terapia do perdão. Sua pesquisa demonstra esse ato tão importante leva a um aumento da vitalidade física, esperança, otimismo e habilidades de resolução de conflitos.

“Minha pesquisa mostrou que aprender a perdoar ajuda as pessoas a magoar menos. Afinal as pessoas que aprendem a perdoar relatam menos sintomas de estresse, como dores nas costas, tensão muscular, tonturas, dores de cabeça e dores de estômago. Além disso, descrevem melhorias no apetite, no padrão de sono, na energia e no bem-estar geral”, afirma Luskin.

Porém, ele adverte que perdoar não é fácil, mas é uma competência que pode e deve ser treinada pelas pessoas que desejam ser feliz. Por isso, “Perdão não significa que você precisa se reconciliar com alguém que o tratou mal.

Primeiramente, se você foi vítima de abuso, agressão ou está em um relacionamento difícil, pode perdoar o ofensor e, como parte dessa escolha, tomar a decisão de encerrar ou limitar o contato com ele. O perdão é principalmente para a sua paz de espírito”, esclarece Frederick Luskin.

Os 9 passos do Perdão

Se o perdão é tão bom e positivo para o ser humano, em outras palavras, por que poucos optam por perdoar quando as pessoas as machucam? Dessa forma, a resposta pode estar na cultura atual que valoriza mais a expressão da raiva e do ressentimento do que a paz do perdão.

Além disso, a maioria das pessoas está confusa sobre o que é e o que não é perdão. Assim, as tradições religiosas, geralmente, reforçam a importância do perdão, mas não oferecem as etapas práticas de como fazer.

Em seu livro ‘O Poder do Perdão’, do mesmo modo, Luskin apresenta um processo, desenvolvido por ele, composto por nove passos que ajudam a pessoa a transformar o ato de perdoar em uma prática habitual e recuperar o controle de sua vida. São eles:

Entenda exatamente como você se sente a respeito do que aconteceu e seja capaz de articular isso, falando a respeito com pessoas de sua confiança.

Assuma com você o compromisso de superar. O perdão é para você, e mais ninguém.

  1. Perceba que perdão não significa, necessariamente, reconciliação.
  2. Adote a perspectiva certa: a principal fonte de sua mágoa é o sofrimento emocional e físico que você está passando agora e não a pessoa ou evento que a causou.
  3. Pratique técnicas de controle de estresse sempre que começar a se sentir irritado ou zangado.
  4. Não espere de outras pessoas aquilo que elas não têm para dar a você.
  5. Estabeleça objetivos positivos e descubra outras maneiras de atingi-los que não seja por meio da experiência que feriu você.
  6. Lembre-se de que uma vida bem vivida é a melhor vingança. Ao focar em suas feridas, você está dando poder à pessoa que o feriu. Aprecie o que se tem ao invés de concentrar-se naquilo que não tem.
  7. Dê um novo significado ao seu passado e inspire-se sempre em sua escolha de perdoar.
EXPO Felicidade 2020

Para falar mais sobre perdão, do mesmo modo, como aprender a colocá-lo em prática e desfrutar dos benefícios proporcionados pelo ato de perdoar, o Dr. Frederick Luskin participará por videoconferência da primeira edição da Expo Felicidade 2020, que acontece entre os dias 27 e 29 de março, na Amcham Business Center, em São Paulo.

Perdão pode ser o antídoto para a intolerância nos tempos atuais
Expo Felicidade 2020 – Foto Divulgação

Do mesmo modo, o evento reunirá alguns dos maiores estudiosos sobre a Psicologia Positiva e a ciência da felicidade para apresentar as últimas novidades sobre o assunto e diversas técnicas de como aplicar estes conhecimentos na prática.

A grade de palestrantes do evento conta com nomes renomados como?

Professor Michael F. Steger, Ph.D. Em primeiro lugar é professor de psicologia, fundador e diretor do Centro de Significado e Propósito da Colorado State University; assim também, psicoterapeuta Jennifer Cory, co-diretora do programa de Certificação em Psicologia Positiva Aplicada no NY Open Center e especializada em luto e perda traumática, educação e apoio aos pais, mulheres e casais; de acordo com, Robert Diener, especialista na aplicação prática da psicologia positiva no desenvolvimento profissional; Gustavo Arns, idealizador do Congresso Internacional de Felicidade e fundador da Escola Brasileira de Ciências, além de Flora Victoria, mestre em psicologia positiva aplicada pela Universidade da Pensilvânia e embaixadora da felicidade no Brasil, entre outros.

As inscrições já estão disponíveis pelo site do evento:

Serviço:

Expo Felicidade 2020

Data: 27 a 29 de março

Local: Amcham Business Center – Rua da Paz, 1431 – Chácara Santo Antonio

Sobre Flora Victoria

Em primeiro lugar, Flora Victoria é mestre em Psicologia Positiva Aplicada pela University of Pennsylvania. Ainda mais, foi considerada a Embaixadora da Felicidade no Brasil por Martin Seligman. É autora de importantes obras como Semeando Felicidade (2017) e Florescimento na Prática (2019) e prepara o seu mais novo livro, editado pela Harper Collins, que será lançado no início de 2020. Possui graduações acadêmicas e especializações nas áreas de Governança Corporativa, pela Harvard Business School; MBA, pela FGV; Marketing, pela ESPM e Tecnologia, pela USCS.

Foto da Capa: Divulgação / Expo Felicidade 2020

Informações para imprensa

Fonte:
Engaje! Comunicação Inteligente

Geisa Balint
E-mail: geisa.balint@engajecomunicacao.com
Telefone: +55 11 9 7431 – 8052

Ivania Monfort
E-mail: ivania.monfort@engajecomunicacao.com
Telefone: +55 11 9 8084 – 5316

Adriana Rodrigues
E-mail: adriana.rodrigues@engajecomunicacao.com
Telefone: +55 11 9 9105 – 0509

Facebook: www.facebook.com/engaje 

“Não é vidência, é psicologia”: Neuropsicologia que faz sucesso ao usar o tarô psicológico

Marcos Morrone

Nascido em São Paulo Capital: Fotógrafo Profissional e Produtor Musical. CEO do Grupo Morrone Comunicações Ltda.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
EgoNotícias

MANTENHA-SE ATUALIZADO

Assine a nossa newsletter e receba em primeira mão as principais notícias do Brasil e do mundo.