Saúde e Bem-Estar

Os perigos do tabagismo frente à Covid-19

Você tem certeza que quer seguir fumando diante da COVID-19?

Você tem certeza que quer seguir fumando diante da COVID-19?

Os perigos do tabagismo frente à Covid-19. Pacientes com condições pulmonares já comprometidas, em decorrência do tabagismo, podem estar em maior risco de complicações da infecção pelo Coronavírus

A nova doença do coronavírus (COVID-19) já evoluiu para uma pandemia que se espalha rapidamente pelo mundo,  gerando grande impacto econômico em muitos países e, principalmente, na saúde pública.

Além disto, imensos desafios e possibilidades de transformações sociais para a humanidade vêm sendo colocados à prova para toda a população mundial.

Uma vez que se tornou o”inimigo público número 1″ e potencialmente mais poderoso que o terrorismo.

A psiquiatra, especialista em dependência química e vice-presidente da Associação Brasileira de Estudos do álcool e outras Drogas (ABEAD), alerta que o vírus ataca o trato respiratório.

E,  parece ter uma taxa de mortalidade mais alta que a gripe sazonal.

Além disso, os indivíduos que foram expostos à nicotina antes de terem contato com o vírus estão em maior risco.

Devido ao fato que a nicotina pode afetar diretamente o receptor putativo do vírus (ECA2) e levar à sinalização prejudicial nas células epiteliais do pulmão.

As pessoas que fazem uso de cigarros eletrônicos e outras formas de vaping também estão sujeitas a um quadro mais grave da ingecção pelo novo Coronavírus, na opinião de Alessandra Diehl.

“Dados prelimanares apontam uma possível ligação entre a COVID-19 e vaping.

Dados referentes à epidemia decorrente da Síndrome Respiratória Coronavírus no Oriente Médio (MERS-CoV) que ocorreu entre 2012 e 2015.

A qual possui aspectos clínicos semelhantes aos do COVID-19, apresentam uma associação positiva entre tabagismo e letalidade.

Os indivíduos que foram infectados e eram tabagistas apresentam taxa de letalidade de 37% contra 19% dos não tabagistas”, argumenta a psiquiatra.

Para ela é razoável, se preocupar que a função pulmonar comprometida ou a doença pulmonar relacionada ao tabagismo que podem colocar as pessoas em risco de complicações graves do COVID-19.

“O tabagismo é prejudicial para o sistema imunológico e sua capacidade de resposta a infecções, tornando os fumantes mais vulneráveis a doenças infecciosas.

Os perigos do tabagismo frente à Covid-19
Os perigos do tabagismo frente à Covid-19
Foto Divulgação

Leia também: No Reino Unido a Bvlgari apoia a luta contra o Covid-19

Os fumantes têm duas vezes mais chances de contrair influenza do que os não fumantes e apresentam sintomas mais graves.

Assim, enquanto os fumantes também foram notificados por terem maior mortalidade no surto anterior de MERS-CoV”, relata Alessandra.

Outro aspecto importante a ser considerado nos tabagistas que diz respeito ao padrão comportamental do indivíduo de levar a mão à boca e ao rosto, o que aumenta a possibilidade de contaminação.

Isolamento social

Os perigos do tabagismo frente à Covid-19

“Devido ao isolamento social, como medida preventiva ao COVID-19, é comum que os indivíduos se sintam mais ansiosos e/ou angustiados, o que aumenta a necessidade e urgência em fumar.

Por conseguinte, não tabagistas que residem com tabagistas, durante o período de restrição ou isolamento social ficam mais expostos à fumaça do cigarro.

O que, secundariamente, aumenta o risco à saúde desse familiar não fumante”, explica a psiquiatra.

A relação entre o tabaco e a letalidade da COVID-19

Tem sido observado em pesquisas científicas que condições co-ocorrentes, incluindo DPOC, doenças cardiovasculares e outras doenças respiratórias, pioram o prognóstico em pacientes com outros coronavírus .

De acordo com os dados do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, a taxa de mortalidade de casos para COVID-19 foi de 6,3% para aqueles com doença respiratória crônica.

Na China, 52,9% dos homens fumam, em contraste com apenas 2,4% das mulheres.

Portanto, uma análise mais aprofundada dos dados emergentes do COVID-19 da China pode ajudar a determinar se essa disparidade está contribuindo para a maior mortalidade observada nos homens.

Embora os dados até o momento sejam preliminares, eles destacam a necessidade de mais pesquisas para esclarecer o papel da doença subjacente e outros fatores na suscetibilidade ao COVID-19 e seu curso clínico.

Dessa forma, Alessandra esclarece que pacientes com condições pulmonares já comprometidas podem estar em maior risco de complicações mais graves do COVID-19.

Os perigos do tabagismo frente à Covid-19

Definitivamente,  as pessoas que fumam crack, maconha, usam opióides ou metanfetamina podem enfrentar um risco aumentado.

“Além disso, o uso crônico de opioides já aumenta o risco de respiração lenta devido à hipoxemia, o que pode levar a complicações cardíacas e pulmonares que podem resultar em overdose e morte.

Em síntese, existe a possibilidade de aumentar os riscos de resultados adversos de COVID-19 nesses pacientes”, destaca.

Vários órgãos internacionais diante do cenário atual têm estimulado fortemente a interrupção do tabagismo e outras formas de uso de cigarros eletrônicos e vapings para toda a população.

Brasil

Definitivamente, o Brasil é um dos casos de sucesso em politicas públicas para o controle e tratamento do tabagismo.

No entanto, muitos estados ainda possuem coberturas de acesso ao tratamento do tabagismo (medicações e terapia psicológica) muito burocratizadas e este cenário precisa urgentemente mudar.

Assim, “Diante do exposto, você tem certeza que quer seguir fumando? Procure ajuda! Aproveite esta motivação do momento para viver com mais qualidade”, finaliza Alessandra.

Os perigos do tabagismo frente à Covid-19
Na Midia

Fotos: Divulgação / Arquivo Pessoal

Fonte: Giovana Chiquim Cereja
     Lumiere Comunicação

Não deixe de ler, primeiramente: Narjara Turetta conta sua trajetória de superação

Uiara Zagolin

Jornalista, Editora do portal Na Midia, colunista no TNYN NY News e Brazilian Times nos EUA, Vice Presidente da APACOS, Delegada da Associação Internacional de Imprensa, Imortal da Acadêmia de Letras Artes e Ciências de São Paulo. Com formação no Canadá, EUA e UK.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo