Arte e CulturaColunistasREVISTATurismoVARIEDADES

NOSSA HISTÓRIA GUARDADA EM SEVILHA

A história dos brasileiros, a nossa memória, está intrinsicamente ligada ao mar e à navegação. Nas palavras do Professor Pablo Perez-Mallarin, da Universidade de Sevilha, as embarcações eram verdadeiros microcosmos e transportavam não somente pessoas e produtos, mas também ideias, palavras e culturas. Ter acesso aos registros do período das grandes navegações é fundamental para entendermos a sociedade em que vivemos, o nosso comportamento e o modo como interagimos. Ao mergulhar em nossa história, podemos exercer uma saudável visão crítica e independente do mundo atual.

Pátio Central do Arquivo Geral das Indias - Foto Maria Medeiros
Pátio Central do Arquivo Geral das Indias – Foto Maria Medeiros

Por esta razão, ao passar por Sevilha, sugiro incluir uma visita ao Archivo General de Índias. O prédio está localizado exatamente ao lado da Catedral e do Real Alcázar, destinos turísticos tradicionais. Poucos brasileiros que passam pela cidade sabem que o Arquivo Geral das Índias alberga um verdadeiro tesouro de dados, relatos e documentos de cinco séculos de história. São 43 mil documentos originais, convertidos em 80 milhões de páginas, além de uma coleção de 8 mil mapas e projetos que registram a memória de três continentes. Tudo está criteriosamente registrado, catalogado e conservado. É o único arquivo do mundo declarado pela Unesco como Patrimônio Mundial da Humanidade.

Trata-se de um belíssimo edifício cuja construção iniciou-se no Século XVI. Somente a partir de 1789 começou a funcionar como Arquivo Geral das Índias, reunindo toda a documentação sobre a administração das colônias espanholas até então existente, mas dispersa em outros arquivos do pais.

A boa notícia é que, em nosso tempo, a tecnologia facilitou o “Mapa da Mina”. Por meio do Portal de Arquivos Espanhóis, cujo endereço é pares.mcu.es, você tem acesso a todos os documentos que já foram digitalizados. O que não estiver digitalizado poderá ser solicitado por e-mail, pagando uma pequena taxa pelas cópias.

Na semana passada, resolvi visitar o Arquivo. Subi a escadaria de mármore malaguenho, me encantei com a decoração das abóbadas, percorri calmamente seus salões, apreciei a beleza de suas estantes de mogno e observei com cuidado os bustos, quadros e objetos permanentemente expostos. Visitei também a exposição temporária sobre os projetos das revitalizações pelas quais passou o edifício.

Estantes do Arquivo Geral das Índias – Foto Maria Medeiros

No entanto, como turista e não como pesquisadora, tive a sensação que faltava algo para tornar essa visita mais impactante. Creio que a tecnologia que foi fundamental para permitir a digitalização e divulgação dos documentos, poderia ser igualmente uma aliada para permitir maior interação entre o visitante e o universo de informação ali existente.

Ao meu ver, poderia ser uma experiencia emocionante, não somente para nós, turistas brasileiros, mas também para turistas americanos, mexicanos ou argentinos, encontrar, à primeira vista e de forma destacada, documentos tais como o primeiro mapa do Rio Mississipi, da Cidade do México, da Louisiana, do Vice- Reino do Rio da Prata, entre outros documentos de conhecida relevância para nossa história. Imagens que nos transportassem àqueles tempos e que nos fizessem perceber, clara e diretamente, o forte vínculo entre a Espanha e o nosso Continente, sem que sejamos um especialista ou pesquisador.

Fachada Arquivo Geral das Índias – Foto Maria Medeiros

Foto da Capa  Maria Medeiros

 

Tags
Mostrar Mais

Maria Medeiros

Nascida na Bahia – BR. Brasil: Graduada em Administração de Empresas pela PUC - Rio e Mestre em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Javeriana, Bogotá, Colômbia. Diretora Executiva da Class Club Guide Tours, Sevilha, Espanha. Consultora na área de Etiqueta Profissional e Protocolo.

Artigos Relacionados

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios